LITERARIUM PATHOS

a Quixotesca tarefa de ser Bovary

Venenos de Deus, remédios do Diabo [Resenha]

10

Um subtítulo interessante para essa resenha seria: “Um pequeno estudo formalista/estruturalista com uma pitada de crítica genética”.

O atual e constante trabalho com a obra de Mia Couto tem me deixado no receio de em minhas resenhas estar  me detendo sobre os mesmos fatos literários; a questão da poeticidade do texto, da maleabilidade da palavra, da relação do escritor com a realidade histórica e social de Moçambique, etc…  Por isso, visto que considero já ter hoje uma visão mais abrangente sobre a obra de Mia, resolvi falar da obra Venenos de Deus, remédios do Diabo, do ponto de vista da sua estrutura formal, à maneira dos formalistas, tentando enxergar a fórmula residual que orientou Mia na elaboração do seu enredo. Não me deterei em comparações explícitas com as outras obras lidas, mesmo porque, acima de tudo, isso é apenas uma resenha; mas de modo geral, as observações quanto a estrutura pode ser sem generalizações aplicadas as outras obras.

Venenos de Deus, remédios do diabo  é Romance com o número de personagens mais limitados que já li: o médico Sidónio Rosa; o casal dos Sozinhos (Bartolomeu Sozinho e Dona Munda Sozinho); o administrador da vila, Alfredo Suacelência, e sua esposa Dona Esposinha, que de tão acessório, quase nem chega a ser um personagem; e a ausência de Deolinda. O número de personagens é realmente tão limitado que não fosse pela complexa estrutura narrativa espaço temporal, poderíamos mesmo considerar essa obra como uma novela.

Acredito mesmo, que o número reduzido das personagens é proposital, para que melhor pudesse ser trabalhado a questão central do romance: a mentira. As mentiras que contamos para os outros; e principalmente, aquelas que contamos para nós mesmos. Daí a necessidade do reduzido número de personagens com suas vidas duplas e suas histórias que se desdobram para a construção de uma intricada rede de inverdades que se quer esquecer e não-mentiras que contamos para sobreviver.

A narrativa que começa de maneira muito elementar vai seguindo num acentuado crescente de complexidade, num contínuo emaranhamento do fio narrativo, numa desenfreada imbricação das vidas das poucas personagens, que são e que fingem ser, e num movimento constante de auto revelar-se e se obscurecer.

O embate entre realidade e sonho que permeia boa parte da obra de Mia, em Venenos de Deus, remédios do Diabo, ganha um interessante tratamento. De maneira invertida, o que temos na obra não é aquela clássica narrativa em que o personagem após um vivência num mundo de estranhezas e incoerências, se descobre sonhando quando ao fim da narrativa, acorda para realidade; o que o leitor descobrirá ao ler esse Venenos… é que após uma vivência numa terra cheia de aparentes normalidades o personagem ao fim descobre-se vivendo e parte para o sonho.

O foco narrativo de Venenos de Deus, remédios do Diabo, embora de onisciência, focalizando as verdades interiores de todos os personagens, opta por acompanhar primordialmente o “doutor” Sidónio, ou como é chamado pelo habitantes locais, doutoro Sidonho.

É, no entanto, outro aspecto do narrador que chama mais a minha atenção. Há em todo narrador de Mia, seja ele personagem ou observador, um desejo de fazer parte e um sentimento de exclusão da realidade que vive ou observa. Esse sentimento antagônico de desejo de pertença e reconhecimento de alteridade é para mim, reflexo da realidade pessoal de Mia que vivente da realidade moçambicana que transfigura para seus romances, busca a simbiose com o local não deixando de se reconhecer como fruto de uma cultura lusitana, que na cultura retratada é apenas um elemento residual. Em outras palavras, a literatura de Mia começa se revelar para mim, como um desejo pessoal de apropriar-se de uma cultura que não lhe pertence em totalidade, e um anseio de revelar para cada moçambicano a necessidade de apropriação nacional do que já lhe é seu.

O que já se disse:

Aproveitando-se do nevoeiro já proposto no nome do lugarejo, Vila Cacimba, Mia Couto utiliza com mestria a sua verve de ótimo contador de história para manter enevoada as vidas de seus personagens e o leitor é conduzido por imagens imprecisas, recheadas de verdades e mentiras que se confundem e se revelam no decorrer das páginas. E, assim, a partir da casa de Bartolomeu, tão doente quanto ele, metonímia de Moçambique, procurar denunciar e sanar seus males e apresentar um caminho menos conturbado para a nação. Tudo em excelente literatura. [ Do Blog Ricardoriso ]

Em meus Post-it:

1

Diz que se ele é diabético eu sou diabólica.

2

Não é que eu seja infeliz. Eu não sou é feliz.

3

Que o amor acontece para a gente desacontecer.

4

–Não sou eu que fumo, Doutor Sidonho. O cigarro é que me está fumando a mim.

–Nisso estamos de acordo. O Senhor não devia tocar mais em cigarro.

–O Doutor me desculpa, mas o Senhor não entende o fumar.

–Não entendo, como?

–Não é o tabaco que a gente consome. A gente fuma é a tristeza.

5

Se Deus não ajuda, como recusar o auxílio do Diabo?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Os Livros e os Dias

fevereiro 2013
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Projeto 2013: Sargaço Luso Mar

Navegar é preciso

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 184 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: